“O paciente é o centro de nossa ciência e arte”

Neurocirurgião de Passo Fundo foi convidado para atuar em hospital de Abu Dhabi

Exercer a medicina é, por si só, desafiador, independente da especialidade. Por trás de cada diagnóstico uma pessoa com família, histórias e projetos de vida. Aos profissionais da área médica, cabe administrar estes contextos de vida com ética, respeito e verdade.

oi

Dr. Alex Roman, foi convidado para assumir uma vaga de professor e cirurgião no hospital
da Cleveland Clinic de Abu Dhabi (CCAD).

É desta forma que o neurocirurgião de Passo Fundo, Alex Roman, estabelece a relação com seus pacientes. 
“A transparência, especialmente na hora de informar o diagnóstico, é fundamental. A forma de comunicar uma doença já é uma decisão de extrema complexidade, mas aprendi que é preciso ser o mais claro possível. É isso que pacientes e familiares esperam do médico”, pondera. Para Alex, que fez residência na PUC de Curitiba, a franqueza é essencial em todo o processo, mesmo quando existem complicações inerentes à doença ou ao tratamento.

Aos 38 anos, o neurocirurgião retornou para a Universidade de Passo Fundo, onde se formou, mas desta vez como professor da faculdade de medicina. A atividade acadêmica é conciliada com os atendimentos no Instituto de Neurocirugia e Cirurgia de Coluna (INCC), onde é socio, e nos Hospitais São Vicente de Paula, Prontoclínicas e Hospital de Clínicas de Passo Fundo.

A cidade, considerada um polo regional, recebe pacientes de diversos municípios do Planalto Médio do estado e também da região Sul de Santa Catarina,  e conta com hospitais bem estruturados para atender esta demanda. “Dispomos de uma infraestrutura de alta complexidade, com microscópios cirúrgicos de alta geração, endoscopias para lesões de base de crânio, neuronavegação, monitorização eletrofisiológica intra-operatória, CTI, aparelhos e instrumentos para tratamento endovascular”, complementa Alex.

No currículo, que inclui cursos e pós-graduação na Alemanha e Estados Unidos, mais de três mil procedimentos, predominantemente nas áreas de neurocirurgia de base de crânio e vascular. Há dois anos, o médico recebeu convite para integrar o departamento de neurocirurgia do hospital da Cleveland Clinic de Abu Dhabi (CCAD). “Já assinei contrato com o departamento, mas ainda dependemos da aprovação final do governo local”. O convite partiu do colega e professor da Alemanha, Florian Roser, considerado por Alex como um dos seus mentores da neurocirurgia.  Segundo o médico, a capital dos Emirados Árabes tem apresentado pequisas e um amplo desenvolvimento na área de neuro, com a utilização de novas tecnologias como o MEG (Magnetoeletroencefalgrafia), que serve para mapear atividades cerebrais específicas, com perspectivas para a utilização de variadas áreas da medicina.

O neurocirurgião, que costuma realizar procedimentos que podem durar até dez horas, dependendo da complexidade, vem trilhando uma carreira acadêmica e médica exitosa. Mas ele credita a seus pacientes, muito do seu aprendizado. “Sempre repito aos meus estudantes e residentes que nossos maiores professores são, em grande parte, nossos pacientes. Nos ensinam quando buscam ajuda para suas doenças e sofrimentos, mas também através do processo de cura e conforto. Nos ensinam coisas que os livros, nem em um século,  poderiam nos mostrar”.




















As cirurgias podem variar de uma até 12 horas, no caso
dos procedimentos da base do crânio.


Currículo:

Alex Roman, 38 anos de idade

• Formação médica pela Universidade de Passo Fundo. 
• Residência em neurocirurgia pela PUC de Curitiba, do Paraná. 
• Subespecialização, com Clinical Fellowship pela Tübingen Universität, em Tübingen, Alemanha.
• WFNS (World Federation of Neurological Societies) Fellowship, pela NYU, New York University, Langone Medical Center, em Nova Iorque, EUA. 
• Professor das faculdades de medicina da UPF e IMED.
• Neurocirurgião do INCC.